IoT no agronegócio é tema de Especial do Valor Econômico

29 mar, 2018
0

Roberto Aran, diretor de Digital Solutions da Resource , foi um dos entrevistados da reportagem sobre IoT no Agronegócio, veiculada no Especial Negócios Conectados, do Valor Econômico, em 28 de março de 2018.

Confira matéria abaixo:

Informação é hoje insumo essencial para agronegócio

003

O uso de sensores não é novidade para o agronegócio. Os sistemas de agricultura de precisão, embarcados nas máquinas agrícolas, já alimentam os sistemas de gestão com dados coletados no campo. Mas a internet das coisas (IoT) vai permitir integrar diferentes fontes de dados e inserir uma camada de inteligência nos negócios. “A informação se transformou no principal insumo da agricultura moderna”, diz Silvia Massruhá, chefe-geral da Embrapa Informática. Segundo ela, o agronegócio tem acompanhado a evolução da rede mundial. Na primeira onda, adotou recursos para fazer parte da internet comercial, depois aderiu à móvel – que trouxe a reboque a comunicação entre as máquinas -, agora parte, com tudo, para a implementação de IoT.

Silvia explica que a primeira fase da agricultura de precisão consistiu na instalação de sensores em tratores e colheitadeiras. Essas máquinas começaram a gerar informações sobre o desempenho agrícola, aprimorando o planejamento e a gestão da produção. “Mas cada máquina tinha um sistema próprio e gerava um pedaço da informação”, completa.

Com a internet das coisas, não importa quem está com o sensor instalado. É possível reunir em um mesmo repositório dados do plantio, da colheita, do clima, imagens de satélite, medições realizadas por drones e preços das commodities na bolsa. A agregação permite o uso de tecnologias de análise complexa de dados, como o big data, para simular cenários ou responder aos problemas de negócio. “Com a IoT, a agricultura de precisão migra do monitoramento do campo para a inteligência estratégica”, diz Silvia.

Com a disseminação da tecnologia, a Embrapa criou, no interior paulista, um sítio que serve de campo de teste para soluções de IoT. Silvia define o local como um ambiente modelo para inovação aberta, onde startups instalam e experimentam sensores, equipamentos, softwares, dados e modelos de negócio. “Os dados gerados nos testes se transformam em rico material para pesquisa acadêmica na área de agropecuária, fechando um ciclo virtuoso para a inovação”, diz. Entre as soluções, ela cita iniciativas para monitorar a propagação de doenças agrícolas, que causa perdas anuais de R$ 55 bilhões ao agronegócio brasileiro.

Kleber Alencar, diretor executivo da Accenture , aponta que o preço dos dispositivos de conexão e do processamento e armazenamento de dados tem caído, promovendo a expansão da agricultura digital. Com isso, os agricultores de médio porte passam a ter acesso às mesmas soluções utilizadas pelos gigantes do setor. “O segmento vai ficar ainda mais competitivo. Todos ganham”, diz.

Para ele, a IoT no campo está atraindo startups porque há enorme demanda pela coleta, organização e tratamento inteligente dos dados. “O agricultor precisa da informação pronta. Não vai ficar olhando sete sistemas para montar um relatório e decidir”, explica. “Se há risco de uma praga na lavoura, o sistema tem de indicar as ações para evitar perdas”, diz.

Outra questão é a integração da tecnologia com o conhecimento científico. “É essencial a participação de engenheiros agrônomos no desenvolvimento das soluções”, lembra Roberto Aran, diretor da Resource IT. Segundo ele, para ensinar as máquinas a alertarem o produtor rural sobre desnutrição do solo ou possibilidade de praga, é preciso interação com a ciência.

Na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), o professor Ricardo Nabhen teve o apoio da equipe de agronomia no desenho de um projeto desenvolvido em parceria com a Nokia. A equipe estudou a ferrugem asiática, que ataca a cultura de soja. Com base em artigos científicos, foi possível montar um modelo de análise que alerta o agricultor sobre os riscos da doença, indicando a aplicação preventiva de fungicida.

Fonte: Valor Econômico

admin