Uber, Airbnb e Amazon são exemplos de como o digital é inovador e impacta modelos de negócio tradicionais. A atuação dessas empresas impactou o mercado e levou à reflexão outras que entenderam que é preciso repensar suas estratégias para não perderem competitividade. Mas é preciso muito cuidado ao ingressar nessa jornada. A seguir, listo cinco dos principais erros dos quais você deve fugir.

1-Achar que transformação digital se resume em tecnologias

Sempre que falamos em transformação digital, discorremos sobre a adoção de aplicativos móveis (apps), Big Data, blockchain, cloud entre outras tecnologias e conceitos. Mas esses recursos precisam estar alinhados aos objetivos do negócio.

Para que a transformação digital aconteça, é necessário pavimentar a estrada para recebê-la, ou seja, é preciso transformar processos analógicos em digitais. No ambiente da nova era, não há espaço para tarefas repetitivas e procedimentos manuais. E muitas empresas não atentam para esse detalhe importante.

Elas têm a ilusão de que pelo simples fato de adotar tecnologias disruptivas, sem esse preparo e uma estratégia consolidada, já ingressaram na transformação digital.  Por essa razão, muitas possuem soluções de ponta, como Big Data, que não trazem informações para rápidas tomadas de decisão, ou aplicações na nuvem, que reduzem custos com infraestrutura, mas continuam com altos custos nos demais componentes da aplicação e os mesmos problemas de quando os servidores estavam dentro da empresa.

A adoção de tecnologias disruptivas, portanto, não significa ter uma estratégia digital, se elas não estiverem conectadas às ações de negócio e com foco em pessoas.


2-Não integrar TI e áreas de negócios

Entre as inúmeras mudanças provocadas pela transformação digital, uma delas é o modelo de colaboração. Equipes multidisciplinares, com diferentes habilidade e competências, trabalham em conjunto, em que a área de TI e as de negócio unem esforços para objetivos de negócio comuns.

Para uma estratégia de digital bem-sucedida, é necessário integrar TI e Negócios. Recentemente, o instituto de pesquisas global Gartner divulgou que em um futuro próximo essa integração será tão massiva que é possível que a sua nomenclatura mude de TI para TN – Tecnologia de Negócios.

Tecnologia, portanto, é cada vez mais meio e não o fim. Tendo o nobre papel de viabilizar projetos inovadores, a partir da participação direta e vital das pessoas. Projetos com soluções inovadoras devem contemplar entregas rápidas, possibilitando testar a tecnologia sem desperdícios de recursos.