O setor de seguros vive um momento de reflexão e de transformação em seu modelo de negócios. A era digital mudou hábitos dos consumidores e a entrada nessa arena das insurtechs (startups de tecnologia), desafiaram as empresas tradicionais a buscarem alternativas modernas e disruptivas. Uma delas é o blockchain.

blockchain, que significa cadeia de blocos, na livre tradução, é uma plataforma de registros e dados, que podem ser distribuídos e compartilhados. Ele cria nessa base um índice para todas as transações que acontecem em um mercado específico. Muitos o definem como “livro-razão da contabilidade” público, compartilhado e universal. E o mais importante: de extrema confiança.

Ajuda, portanto, a identificar fraudes, pois proporciona armazenamento seguro da identidade da pessoa e uma forma mais segura de fazer transações. Além de gerar aumento da receita, menor tempo de resposta e custos reduzidos, monitoramento de transações simples e custos operacionais mais baixos e menores riscos.

Não por acaso, a plataforma tem atraído a atenção de diferentes mercados e apresentado crescimento significativo. De acordo com dados divulgados pela consultoria IDC, os gastos mundiais em soluções de blockchain vão atingir US$ 2,1 bilhões em 2018. Muito além do dobro dos US$ 945 milhões registrados em 2017. E mais: a estimativa é de que os investimentos avancem em ritmo acelerado até 2021, movimentando US$ 9,2 bilhões.




Por essas e outras razões, blockchain está na mira do mercado de seguradoras, que representa uma outra força na economia nacional. Segundo a Confederação das Seguradoras (CNseg) o setor de seguros ultrapassou a barreira de mais de R$ 1,2 trilhão em ativos em 2017.

Forte aliado

O blockchain é uma forma segura de registrar contratos, porque elimina intermediários e seus registros são invioláveis, inalteráveis e descentralizados. Pode ajudar muito nos processos de sinistros, desde o aviso até o pagamento. Sem contar que agiliza a análise de seguros e dos riscos envolvidos na admissão da apólice.

Sem dúvida, a plataforma pode fortalecer o setor. Isso fica muito claro em um artigo que li recentemente no portal de tecnologia de Kevin Wang, da Plug and Play Insurance, vertical da aceleradora do Vale do Silício Plug and Play Tech Center.



Ele diz que o blockchain tem o poder de transitar pelos modelos novos e existentes de seguros, incluindo seguros pear-to-peer (P2P), uma arquitetura de redes de computadores na qual cada um dos pontos ou nós da rede funciona tanto como cliente quanto como servidor, permitindo compartilhamentos de serviços e dados sem a necessidade de um servidor central.

Essas plataformas específicas de seguros P2P, de acordo com Wang, podem começar a usar contratos inteligentes para estabelecer reclamações e combinar a demanda entre os consumidores em um mercado on-line, resolvendo muitos dos problemas atuais ao transferir ativos digitais ou ao acessar dados privados.

São muitas as alternativas que o setor de seguros está avaliando para se transformar e o futuro aponta para um segmento mais ágil, mais preciso e com características inovadoras para atender ao consumidor da nova economia, ávido por um atendimento personalizado. O time da Resource está atento e preparado para ajudar seus clientes nessa jornada, simplificando esse desafio com tecnologia, experiência e consultoria especializada.




Entre em Contato

Quer saber mais sobre a Resource?
Entre em contato agora mesmo.

Fale com a gente

Trabalhe Conosco

Quem transforma empresas de sucesso, pode transformar a sua carreira também.

Cadastre seu currículo

A Resource

Somos uma tech partner focada em entrega de transformação digital.

Conheça a empresa